Skip to main content

CAPELANIA INTERNACIONAL

A Ordem Mundial dos Capelães Evangélicos é uma Capelania Internacional fundada em 2008, com o objetivo credenciar e capacitar capelães evangélicos em todo o mundo abrindo portas para o evangelismo aos doentes, enfermos e presos, no Brasil e no Exterior através de nossos cursos.

Nossos Capelães são formados nos quadros da OMCE através de curso online ou presencial. Todos possuem uma credencial OMCE, numerada, para prestação do Sagrado Munus Público de assistência religiosa junto aos cristãos que, não obstante enfermos, ao menos gozam do privilégio de receberem os cuidados médicos das instituições hospitalares.

Os Capelães da OMCE apresentam-se imbuídos dos mais lídimos mandamentos da Cristandade e ainda em razão de desejo do povo brasileiro, que apresenta em nossa Carta Magna, nos “DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS”, de forma petrificada, os termos do Art. 5º:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

(…)

VII – é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;

VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, (…) (grifo nosso)

O Capelão é um ministro religioso autorizado a prestar assistência e a realizar cultos em comunidades religiosas, hospitais, colégios, universidades, Capelas Ecumênicas, presídios, corporações militares e outras organizações. Esta mesma lei progride em diversos países que no obstante gozam da religião Cristã protestante ou católica.


CRIME DE INVALIDAR A CREDENCIAL DO CAPELÃO

A Lei 9459, de 13 de maio de 1997, corrigiu a Lei 7716, de 15 de janeiro de 1989, modificando os artigos 1º e 20, e revogou o artigo 1º da Lei 8081 e a Lei 8882, de 3.6.94. A lei pune, com penas de até cinco anos de reclusão, além das multas, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, de cor, etnia, religião ou procedência nacional.